O espectáculo melhorou desde a 7ª jornada? E em relação ao FC Porto Campeão 17/18 no final da 1ª volta?

Depois da derrota na Luz a 7 de Outubro 2018, escrevi um post sobre a qualidade dos espectáculos até à 7ª jornada, ler Aqui, e como conclusão, escrevi: “Nada está perdido e ainda vamos a tempo de melhorar e recuperar o nosso lugar mas para isso vai ser preciso não ter medo de mudar o que for preciso e, principalmente, colocar as cabeças que andam a passear no seu devido lugar.”

Desde a derrota na Luz e passadas 10 jornadas, obtivemos 9 vitórias e 1 empate (17ª jornada em Alvalade) e com isso recuperamos o nosso lugar. Passamos do 3º lugar com 2 pontos de desvantagem para os 1ºs classificados (Benfica e Braga) para o 1º lugar com 5 pontos de vantagem para o 2º classificado (Benfica). Como podem ver na imagem em baixo, assumimos a liderança à 8ª jornada e não mais a largamos. Melhor era difícil.photo 13-01-2019, 11 55 27

Os recordes não valem nada se não forem acompanhados de títulos e esta performance de 18 vitórias consecutivas em todas competições (9 Campeonato + 4 Champions League + 3 Taça de Portugal + 2 Taça da Liga) depois do jogo na Luz vai ficar na história do clube e do futebol português. Com o BiCampeonato ficará mais colorida.

sem título

Na tabela em baixo podemos ver que a liderança com 5 ou mais pontos de vantagem, desde que a vitória vale 3 pontos (23 campeonatos desde 1995/96), aconteceu por 10 vezes. Deu sempre campeão. Dessas 10 ocasiões, 9 foi o FC Porto.

1ª volta
Pontuação dos primeiros 3 classificados ao final da 1ª volta desde 1995/96

Na imagem em baixo podemos ver que Campeão Nacional e líder isolado é a equipa que marcou golos em mais jogos, 93% e mais jogos teve sem sofrer golos, 43%.

performance

Mas o espectáculo melhorou desde a 7ª jornada? E em relação ao FC Porto Campeão 2017/18 no final da 1ª volta? Reuni novamente os mesmos itens para tentar ajudar a ter uma ideia o mais concreta possível sobre a resposta.

Nota: Para ser uma comparação mais justa, estes números são referentes aos jogos até ao final da 1ª volta de 2017/18 e 2018/19. Alguns itens do FC Porto 2017/18 não foram possíveis reunir. Os números apresentados são médias/jogo.

Fontes: whoscored e sofascore

Defensivos

1voltadefensivos

Na parte defensiva, o que realmente conta são os golos sofridos e nesse aspeto, no final da 1ª volta, está equilibrado. 10 golos sofridos em 18/19 contra 9 em 17/18. Continuamos a ser a melhor defesa do campeonato, tal como em 17/18.

Curioso que em termos comparativos com a 7ª jornada (derrota na luz), concedemos o mesmo número de oportunidades de golo e remates aos adversários mas baixamos a média de golos sofridos em 33,3%. A diferença passa, também, pelo maior número de defesas de Iker Casillas, mais 38,5% e mais bolas nos postes, 0.2/jogo.

Ainda nos remates, continuamos a consentir mais remates dentro da nossa área do que na época passada, cerca de 34.3%

Dos 3 grandes, o FC Porto, é a equipa que menos oportunidades de golo consente aos adversários, 0.6/jogo. Menos 50.0% que o SCP e menos 53.8% que o SLB. É também a que tem menos remates consentidos, 8.4/jogo. Menos 22.2% que o SCP e menos 3.4% que o SLBCurioso quando um dos defeitos deste Porto de Sérgio Conceição é precisamente a falta de controlo dos jogos.

Construção

1voltaconstrução

Construir jogo para este FC Porto é sinal de futebol rápido e vertiginoso com o objetivo de chegar o mais depressa possível à baliza adversária e por vezes leva a que não seja o mais bonito e o que arraste mais erros. Reflexo disso é a menor quantidade de passes efetuados e a menor eficácia dos mesmos.

Tal como na 7ª jornada, continuamos a efetuar menos passes que em 2017/18, 8.0%, e tivemos um decréscimo de 2.4% em relação à mesma jornada de 2018/19. Em comparação com os rivais, temos mais 2.5% de passes efetuados que o SCP e menos 13.0% que o SLB. Na eficácia de passe temos menos 3.4% que em 17/18 e menos 1.1% do que à 7ª jornada em 18/19.

Dos 3 grandes fomos os únicos, em comparação com a 7ª jornada, que aumentou o número de passes longos, mais 3.6% e diminuímos o número de ações com bola em 1.7%. Todavia, também baixamos o número de perdas de bola em 2.7% e perdemos cerca de 15.1% de bolas em comparação com 17/18.

Nos Passes Chave continuamos a ser dos 3 grandes os que mais passes para finalizar efetuamos. Mais 2.5% que o SCP e mais 9.0% que o SLB, embora menos 15.1% que o FCP de 17/18. Com isto, continuamos a ser a equipa que menos passes precisa para efetuar um passe chave, 35.5 passes/passe chave, mas desta vez acompanhados pelo SCP. Já o SLB precisa de mais 9 passes para efetuar um passe chave.

Duelos

1voltaduelos

O FC Porto 18/19, tal como o de 17/18, é uma equipa fisicamente forte e que não foge a um duelo. Tal como na época passada, em que está praticamente igual, é a equipa que mais duelos vence dos 3 grandes. Mais 8.3% que o SCP e mais 5.4% que o SLB.

Já nos Duelos Aéreos continuamos pior que em 17/18. A bola continua a andar mais vezes pelo ar, 19.5% e ganhamos menos 11.1%.

Nos Dribles Eficazes continuamos destacados. Quem tem Brahimi arrisca-se a não dar hipótese aos rivais. Mais 84.2% que o SCP e mais 20.7% que o SLB. Em relação a 17/18 realizamos menos 26.1% e em comparação com a 7ª jornada subimos cerca de 47.9%. Corona, a fazer a melhor época de Azul e Branco, também tem contribuído bastante para esta subida.

Ofensivos

1voltaofensivos

Nas 17 jornadas da 1ª volta conseguimos menos 11 golos que no mesmo período de 2017/18 (34 Vs 45). Os nossos avançados não têm estado ao nível que os Portistas desejariam e isso é refletido nos números. Menos 6.7% de remates, menos 20.6% remates enquadrados e menos 29.3% oportunidades de golo criadas. Juntando a isto a menor eficácia de concretização, 17.8%, está de certa forma explicado o menor número de golos marcados.

Em comparação com os rivais, somos os que efetuamos mais remates dentro da área e nem assim conseguimos ter melhor eficácia de concretização. Mais 35.6% de remates dentro da área que o SCP e mais 14.6% que o SLB mas temos menos 6.9% e menos 12.9% de remates enquadrados que SCP e SLB respetivamente.  

Em relação a oportunidades de golo aproveitadas continuamos com um valor baixo, 40.8%, apesar da ligeira subida em relação à 7ª jornada, 2.0%. Em comparação com os rivais, temos menos 34.3% que o SCP e menos 15.2% que o SLB.

Tempo Gasto

tempo gasto

Neste gráfico podemos ver o tempo gasto por cada equipa em vantagem, empatada ou desvantagem. A equipa que tem os melhores índices defensivos, FC Porto, é a equipa que menos tem em desvantagem, 3.7% e a equipa com a melhor eficácia finalização, SLB, a que tem maior tempo em vantagem, 46.5%. Se converter as percentagens em minutos, o FC Porto, em 90 minutos, tem em média 39.4min em vantagem, 47.3min empatado e 3.4min em desvantagem

Nota Final:

Se no final da derrota na luz disse que nada estava perdido, agora nada está ganho por termos mais 5 pontos que o 2º classificado. É bom ter essa almofada mas ainda falta muito campeonato, muitos jogos difíceis, muitas polémicas, muitas armadilhas, lesões, castigos… e tudo isto com Champions pelo meio. É preciso manter a excelente atitude competitiva que esta equipa tem demonstrado. Se isso acontecer estaremos bem mais perto do BiCampeonato!

Para terminar, deixo a 2ª volta dos 4 primeiros classificados no campeonato 2018/19!

2 volta

2 thoughts on “O espectáculo melhorou desde a 7ª jornada? E em relação ao FC Porto Campeão 17/18 no final da 1ª volta?

  1. Caro “baia á linha”,

    Se me é permitido, deixo-lhe outro dado estatístico, em Portugal há um padrão bem definido, quem vira líder isolado para a 2ª volta, por tendência muito marcada, termina Campeão, porém, há excepções, e fiz uma observação aos últimos 60 campeonatos.

    Identifiquei 13 excepções de líderes isolados no final da 1ª volta, mas que não foram Campeões (apenas 21,5%), isto com uma amostra razoável, os últimos 60 campeonatos, vou elencar as 13 excepções:

    1958/59- Benfica vira líder isolado, FC Porto Campeão.
    1968/69- FC Porto vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1970/71- Sporting vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1974/75- FC Porto vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1975/76- Boavista vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1976/77- Sporting vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1977/78 -Benfica vira líder isolado, FC Porto Campeão.
    1978/79- Benfica vira líder isolado, FC Porto Campeão.
    1985/86- Benfica vira líder isolado, FC Porto Campeão.
    1990/91- FC Porto vira líder isolado, Benfica Campeão.
    1999/00- FC Porto vira líder isolado, Sporting Campeão.
    2011/12- Benfica vira líder isolado, FC Porto Campeão.
    2015/16- Sporting vira líder isolado, Benfica Campeão.

    Dado curioso, coincidentemente ou não, pós-Abril de 1974, isto quando o PREC confrontava e ameaçava a jovem Democracia, as reviravoltas revolucionárias chegaram também ao Futebol, sobretudo atacaram o “campeão de inverno”. Foram muito comuns nessa década de 70 essas reviravoltas, tal aconteceu em 6 ocasiões, mas 5 delas consecutivas, justamente pós-Abril: campeonatos de 1975, 1976, 1977, 1978 e 1979. Curiosamente nesse período, o “campeão de inverno” por tendência não terminou Campeão, provavelmente efeitos do processo revolucionário.

    A primeira reviravolta relativamente à minha observação (últimos 60 campeonatos) situa-se na época desportiva 1958/59, temporada também curiosa pela singularidade da derradeira jornada, e não só, mas já lá vou.

    O FC Porto no inverno de 1958, “virou” 3º classificado à 13ª Jornada ( campeonato com apenas 26 jornadas), distava 4 pontos do líder Benfica (a vitória valia dois pontos), mas termina Campeão em igualdade pontual com os encarnados, vencendo esse Campeonato no “goal average”, no famigerado “Campeonato Calabote”. A chegada de Bella Guttman ao Porto no dia dos finados de 1958 (quando o campeonato estava praticamente finado), garantiu uma extraordinária recuperação, mas também uma eficaz chicotada (Guttman substitui Otto Bumbel, o brasileiro que ainda é o único treinador do FC Porto que venceu uma Final da Taça de Portugal ao Benfica), mas também foi essa chicotada aliás, a única que garantiu um Campeonato ao FC Porto.

    Outra curiosidade à volta da temporada 1958/59, o primeiro jogo de Guttmann, foi um Belenenses 1 FC Porto 0 em novembro de 1958, após o jogo, quando se dirigia para o balneário, o austro-hungaro sorria, e, estupefacto o director do FC Porto que o acompanhava questionou-o : “então perdemos o jogo, e o senhor está satisfeito?”, ao que Guttman respondeu: “Sabe, já sei quem vou tirar da equipa, para sermos Campeões…”, e quem é que Guttmann tirou da Equipa? O médio José Maria Pedroto, já “trintão”, certo é que depois daquele jogo no Restelo, Pedroto nunca mais calçou e Guttman cumpriu a profecia, e foi mesmo Campeão, mas sem maldição, isto porque, Pedroto, 19 anos depois de ter sido Campeão Nacional como Atleta do FC Porto, foi também Campeão como Treinador do FC Porto, sim, após os tais 19 anos de prolongado jejum 1959/1978, é verdade, uma longa, longa travessia da ponte!

    1 abraço,

    PT

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s